14.7.05

i don´t know why you say goodbye, i say hello

Talvez eu volte, um dia eu volto, quem sabe? Apesar de que agosto não tem carnaval e se não tem volta também não tem fim. Se ao menos soubesse celebrar, se eu pudesse divinizar a ausência, a distância: clareza é uma coisa em que se crê? Now I find I’ve changed my mind and opened up the doors, não feche, help me, get my feet back on the ground. Mamãe bem que me avisou, só confie em constelar, estrelinha, lagartixa.

Respiro. É a lucidez chegando? 'não se entregue', ela me diz. E quando me diz 'desista', penso contra o que voltar tudo isso que acaba por se acumular em fúria? Outro bem em comum, pois é, há tantos peixinhos a nadar no mar como? já vai? eu? vou, e vendada.

3 O mundo em ti:

Blogger José Américo de Melo said...

Uau. Com o Milton entao, hein?
Te falei que tenho 5 megapixels pra gastar com as paisagens daqui? Comprei-os no free-shop. Alias, ja foi ao meu novo fotolog?

9:53 AM  
Blogger Messer Tartufo de' Verdipascoli said...

Nosso marquês, quando pequeno, gostava de brincar de cabra-cega com o destino.

9:47 PM  
Blogger senhoritah said...

Olha, o Milton é um pentelho esganiçado. Boa versão dos Beatles é "For no One" ou "Help" pelo Caetano.
Qual você comprou, hein?
Fui, fui sim, tentei comentar mas tem quissê do flicki e eu não sou. Cê tá todo suado puxando o sino, super aquela foto.

***
O vosso marquês, quando grande, pisa nas casas opostas do jogo de amarelinha?

10:06 PM  

Postar um comentário

<< Home